Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

(42)9993-1510

Tempo Agora
No Ar


Nenhuma programação cadastrada
para esse horário




Enquete
Qual o período você mais a Rádio?

 Madrugada?
 Manhã?
 Tarde?
 Noite?

Publicidade Lateral
Top Música
1
Ele Não Merece A Gente  - Naiara Azevedopart. Paula Mattos
Ele Não Merece A Gente
Naiara Azevedopart. Paula Mattos
2
Acordando o Prédio  - Luan Santana
Acordando o Prédio
Luan Santana
3
VIDINHA DE BALADA - Henrique e Juliano
VIDINHA DE BALADA
Henrique e Juliano
4
Amante Não Tem Lar - Marília Mendonça
Amante Não Tem Lar
Marília Mendonça
5
Te Assumi Pro Brasil - Matheus & Kauan
Te Assumi Pro Brasil
Matheus & Kauan
Estatísticas
Visitas: 314075 Usuários Online: 83


Política

Publicada em 25/09/17 as 21:09h - 14 visualizações
Gilmar Mendes nega pedidos de liberdade e mantém presos Joesley e Wesley Batista
rmãos donos do grupo J&F foram presos neste mês. STJ também já havia negado pedido de liberdade apresentado pela defesa dos empresários.

Web Radio Pinare


 (Foto: Web Radio Pinare)

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta sexta-feira (22) dois pedidos de liberdade e manteve presos os irmãos Joesley e Wesley Batista, sócios da J&F. Gilmar é o relator do caso.

Joesley Wesley foram presos no início deste mês e protocolaram habeas corpus no STF após terem pedidos de liberdade negados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), nesta quinta.

Em várias ocasiões, Gilmar Mendes criticou o acordo de delação premiada firmado entre os irmãos Batista e a Procuradoria Geral da República (PGR), assinado em maio no âmbito da Operação Lava Jato.

Na decisão, Gilmar entendeu haver risco de novos crimes e não considerou a medida desproporcional.

"A prisão preventiva foi adotada diante de um delito com pena que excede ao parâmetro legal em circunstâncias objetivas e subjetivas particularmente graves. Não está evidente que sua decretação é desproporcional."

Pedidos de liberdade

Os pedidos de liberdade de Joesley e Wesley questionavam decretos de prisão preventiva expedidos pela Justiça Federal em São Paulo.

No último dia 13, o juiz João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Federal, mandou prender os empresários pela suspeita de que eles usaram informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro entre abril e 17 maio de 2017, antes da revelação do acordo de delação premiada.

Nos pedidos de liberdade, os advogados de Joesley e Wesley alegaram que as penas pelo crime, em caso de condenação, são baixas, com "o peso legal de um roubo de galinha". Eles pediam a substituição da cadeia por medidas alternativas, como recolhimento domiciliar.

Mesmo se a liberdade fosse concedida por Gilmar Mendes, Joesley continuaria preso, por outra prisão preventiva decretada pelo ministro Edson Fachin, também do STF, pela suspeita de omissão de informações na delação premiada.

Nesta quinta, Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou a soltura dos empresários. Dos cinco ministros da Sexta Turma da Corte, somente o relator, Sebastião Reis, votou a favor de Joesley e Wesley.


Os outros quatro magistrados votaram para manter a prisão, sob o argumento de que o mérito do pedido ainda está sob análise do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), na segunda instância.

Rescisão das delações

Na semana passada, a PGR comunicou a rescisão dos acordos de delação de Joesley Batista e de outro executivo da J&F, Ricardo Saud, por suspeita de que eles omitiram informações.

A rescisão, contudo, ainda depende de homologação de outro ministro do STF, Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato.

A PGR diz que eles foram orientados pelo ex-procurador da República Marcello Miller nas negociações junto à PGR. Joesley e Miller negam.




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Parceiros
RÁDIOS BR

Baixe nosso Aplicativo WEB RÁDIO PINARÉ
Copyright (c) 2017 - Web Radio Pinare - Todos os direitos reservados